Novas receitas

Sotheby's para jantar em leilão com Ferran Adrià

Sotheby's para jantar em leilão com Ferran Adrià

Além dos vinhos elBulli assinados, o jantar com lembranças de Adrià e elBulli será leiloado

Fãs ávidos do restaurante espanhol fechado elBulli devem começar a economizar agora; A Sotheby's anunciou novas adições ao leilão elBulli Wine Cellar, o que significa que há mais do que garrafas assinadas pelo mundialmente famoso chef experimental Ferran Adrià e Juli Soler.

De acordo com um Comunicado de imprensa, a venda também incluirá um jantar com o chef ElBulli Adrià (oferta inicial de US $ 5.000), que será realizado no restaurante de Albert Adrià, em Barcelona, ​​Tickets, Relatórios de comedores. Além disso, uma variedade de parafernália elBulli será leiloada, como um conjunto de facas elBulli (US $ 1.000), quatro jaquetas de chef assinadas por Adrià (US $ 1.000), caixas de chocolate elBulli (US $ 1.000) e um conjunto de talheres elBulli (US $ 2.000).

Para quem quer economizar, as louças petit fours custam a partir de US $ 50 a peça, enquanto as bandejas de metal barroco custam a partir de US $ 150.

O leilão ocorrerá em Hong Kong e em Nova York nos dias 3 e 26 de abril, respectivamente, com a arrecadação beneficiando a Fundação elBulli. Agora só temos que encontrar uma maneira de conseguir assentos quando elBulli reabre.


O licitante paga € 22.000 pelo jantar com Ferran Adrià

Os planos do chef espanhol Ferran Adrià de abrir sua nova fundação de alimentos pareciam particularmente saborosos na quarta-feira, após um leilão para arrecadar fundos para o empreendimento em Hong Kong.

Entre os 6.518 lotes à venda estava um tour gastronómico exclusivo e jantar com o conceituado chef catalão, pelo qual um licitante anónimo pagou 22.000 euros - mais de cinco vezes o preço inicial de 40.000 dólares de Hong Kong (cerca de 4.000 euros). A visita guiada de 48 horas foi programada para culminar com um jantar para quatro pessoas no restaurante do irmão de Adrià.

Outro lote de grande ganho apresentou 10 vinhos franceses da adega do agora fechado restaurante El Bulli de Adrià, na Catalunha, que foram vendidos por mais de 150.000 euros.

Outros itens leiloados na Sotheby's Hong Kong incluem equipamentos de cozinha e parafernália de marketing de El Bulli.

"Muito satisfeito"

No total, o leilão arrecadou 14,1 milhões de dólares de Hong Kong (1,4 milhões de euros) para a Fundação El Bulli, um quarto do orçamento necessário para a instalação do centro.

"Estamos voltando para Barcelona muito satisfeitos", disse o chef à agência de notícias Efe após o leilão. "Sem dúvida, esta é uma boa maneira de começar a Fundação El Bulli."

Adrià planeja abrir o centro de pesquisa culinária no local de seu restaurante anteriormente com três estrelas Michelin, que fechou suas portas em julho de 2011.


Reinventando a comida Ferran Adrià Colman Andrews

Preço AUD $ 39,95 Preço CAD $ 34,95 Preço e euro24,95 Preço e libra 19,95 Preço T24,95 Preço USD $ 24,95

Opções de presente disponíveis na finalização da compra

Ferran Adrià fez coisas com comida nunca antes sonhada ou tentada. Ele criou milhares de novos pratos e projetou novos implementos para comê-los. Sua influência no mundo culinário é incomparável. Sua história está entrelaçada com a ascensão de elBulli: sem nenhum treinamento culinário formal, Ferran Adrià pegou um restaurante tradicional situado em um remoto penhasco catalão e o colocou no centro do mapa culinário. Ferran dá uma nova olhada no restaurante que detém três estrelas Michelin há mais de uma década e recebe mais de 2 milhões de pedidos para os 8.000 lugares servidos a cada ano. Os lendários menus de vários pratos do elBulli são desenvolvidos por Ferran e sua equipe ao longo de meses de experimentação em laboratório. Esta abordagem única dá à comida de elBulli uma alquimia própria, por exemplo, tortilla espanola, ou tortilla espanhola, torna-se uma profusão de sabor e textura com espuma de batata, purê de cebola e sabayon de clara de ovo, por meio de métodos de cozimento em evolução que influenciam os cardápios dos restaurantes ao redor o mundo.

Reinventando Alimentos traça a transição de Adrià da obscuridade comparativa para se tornar o foco da atenção da mídia em massa - ele foi admirado, comentado e criticado mais do que qualquer outro chef vivo hoje. Colman Andrews passou mais de uma década conversando com Ferran, bem como incontáveis ​​horas em seu restaurante e oficina, e seu relato recapitula a notável trajetória de carreira de Ferran em uma escala humana absorvente. Com acesso irrestrito ao chef e sua família e amigos, bem como décadas de percepções e entrevistas acumuladas com os chefs e críticos mais proeminentes, Reinventando Alimentos lança uma nova luz sobre o inovador culinário mais radical de nossos tempos. Animado e legível, e cheio de novas percepções, ele envolverá não apenas os amantes da comida, mas qualquer pessoa que goste de uma história notável: a história de como um jovem chef mudou o mundo gastronômico e reinventou a comida. Especificações:

  • Formato: capa dura
  • Tamanho: 234 x 156 mm (9 1/4 x 6 1/8 pol.)
  • Páginas: 360 pp
  • Ilustrações: 50 ilustrações
  • ISBN: 9780714859057

& # 34O que Adrià quer fazer agora, antes de se reinventar criativamente mais uma vez, é virar a página do elBulli. Sua nova biografia autorizada, do jornalista e gourmet americano Colman Andrews, claramente faz parte desse processo. Como um meio de separar a verdade da fábula, o livro de Andrews é envolvente e incisivo. Nas mãos de Andrews, a narrativa do início da história de elBulli, primeiro como um centro de minigolfe, depois uma churrascaria e, em seguida, como um restaurante francês chique, sugere às vezes um nível de excentricidade quase Fawlty Towers. Em certo sentido, elBulli é nada menos do que uma metáfora para a própria Espanha e a transformação sísmica do país em 35 anos de estúpido e inocente recém-chegado a jogador da liga principal. & # 34 & # 8212Os tempos

& # 34De longe o melhor [livro] já escrito sobre Adrià. Andrews é um guia exigente e ganancioso para os sabores de elBulli. Agora, elBulli está evoluindo novamente. Adrià anunciou que fechará no final de 2011. Foodies em todo o mundo estão de luto. Para milhões de nós que nunca chegamos perto de conseguir uma reserva, o retrato perspicaz de Andrew pode ser nossa melhor esperança de entender o motivo de tanto alarido. & # 34 & # 8212The Sunday Times

& # 34O que é universalmente indiscutível [. ] é o fato de que Adrià, por meio de seu catálogo de criações elBulli e sendo a força motriz por trás do restaurante de destino final, mudou a maneira como comemos e pensamos sobre comida, gerando uma série de imitadores em todo o mundo. Em Reinventando Alimentos: Ferran Adrià [. ] Colman Andrews [. ] dá uma visão única da excepcional história de vida de Adrià - como um jovem catalão sem nenhum interesse de infância por comida acabou assumindo a cozinha de elBulli em 1987 aos 25 anos de idade e evoluiu para mudar o mundo gastronômico para sempre. O guia leva o leitor às origens humildes de Adrià como cozinheira durante o serviço militar [. ] até o reconhecimento internacional como o homem por trás do melhor restaurante do mundo. Uma leitura animada e fascinante. & # 34 & # 8212Caterer e Hotelkeeper

& # 34A história mais intrigante, que Andrews conta muito bem, é como o que começou na década de 1960 como um café de praia hippie em uma enseada quase inacessível tornou-se primeiro um restaurante, depois um restaurante gastronômico seguindo a tendência da nouvelle cuisine, e então algo totalmente diferente, o aceno da bandeira para uma vanguarda. Lado a lado com isso está a história do próprio Adrià: um cara comum que havia cozinhado por anos antes de realmente se comprometer com isso e que, quando jovem, estava mais interessado em futebol e em perseguir meninas do que em criar um único pedaço de comida que qualquer um se lembraria . Recebemos insights sobre a abordagem do autodidata para a criatividade. Milhões [. ] ano após ano, tentaram, mas não conseguiram obter uma reserva [em elBulli]. Para eles, este livro é o mais perto que eles têm de aproveitar o elBulli para si mesmos. & # 34 & # 8212O observador

& # 34 [A] história fascinante. & # 34 & # 8212Casa rural e urbana

& # 34 Perspicaz e bem escrito. & # 34 & # 8212TLS (Times Literary Supplement)


Leiloeiro Showdown Looms na Ásia

HONG KONG - A Sotheby's e três casas de leilão asiáticas esperam vender mais de US $ 300 milhões em arte, antiguidades, vinho e joias esta semana, com um retrato de Mao de Zeng Fanzhi e uma tigela da dinastia Qing entre os itens mais caros.

Apesar da enxurrada de atividades e do excesso de estimativas, os especialistas em arte estão procurando nervosamente por sinais do apetite de luxo da China. No ano passado, as vendas em leilões de arte na Grande China, que inclui Hong Kong, caíram 37% em relação a 2011, de acordo com dados compilados pelo Art Market Monitor da Artron.

"Todo mundo está olhando para essas vendas - a Sotheby's, principalmente - como um teste para ver se o mercado está voltando", disse Catherine Kwai, dona de uma galeria em Hong Kong. "Acho que nunca veremos como era há dois anos. Agora você simplesmente não vê aquele comprador chinês continental louco que faz lances cada vez mais altos."

As vendas de primavera da Sotheby's começaram na quarta-feira com vinhos do agora fechado restaurante espanhol El Bulli, um leilão estimado em mais de US $ 200 milhões. Mas o confronto começa no sábado, quando o leiloeiro de Nova York realiza suas vendas de pinturas chinesas e arte contemporânea, assim como as duas maiores casas da China, Poly Auction e China Guardian, realizam suas próprias vendas de arte, antiguidades e joias chinesas. A Tiancheng International, empresa de Hong Kong que é a menor das quatro, também está vendendo pinturas chinesas naquele dia. (Christie's, outro grande leiloeiro, fará as vendas da primavera no próximo mês em Hong Kong.)

A categoria mais cara para a Sotheby's nesta temporada são as antiguidades e cerâmicas chinesas, que serão vendidas na segunda-feira. O item mais vendido é uma tigela vermelha com um desenho floral da dinastia Qing. Com apenas 11 centímetros de diâmetro, espera-se que seja vendido por até US $ 9 milhões.


Compartilhado Todas as opções de compartilhamento para: Sotheby's para leiloar vinho elBulli e recordações em Nova York

Ainda não é tarde para trazer para casa algo do agora fechado elBulli. Amanhã em Nova York, Sotheby's continuará seu leilão de memorabilia elBulli e vinhos da elBulliCellar que começou em Hong Kong no início deste mês. Os lucros do leilão irão novamente para a elBulliFoundation. A Sotheby's está leiloando uma noite com Ferran Adrià que inclui jantar no restaurante Albert Adrià's Barcelona Ingressos ($5,000).

O leilão apresenta uma coleção impressionante de vinhos, incluindo três garrafas de Domaine de la Romanée Conti, Romanée Conti 1990, cujo valor estimado é $32,500 - $47,500. As lembranças de elBulli que estão em leilão incluem: uma jaqueta de chef assinada por Ferran Adrià ($ 1000) um sifão de espuma assinado por Ferran Adrià ($ 50 - $ 100) uma coleção de cartas de vinhos e menus ($ 250 - $ 500) coleção de talheres de elBulli ($ 2.000) . O leilão de Hong Kong arrecadou US $ 1,8 milhão, talvez este acrescente mais um milhão aos cofres da elBulliFoundation. Abaixo, o comunicado à imprensa:


Jantar de Ferran Adrià de Ell Bulli disponível em leilão

O mítico restaurante espanhol El Bulli pode ter fechado as portas há dois anos, mas a casa de leilões Sotheby’s está oferecendo ao lance mais alto em um leilão de vinho que se aproxima a chance de desfrutar de um jantar preparado pelo lendário chef Ferran Adrià em pessoa.

É a mais recente adição a um tão esperado leilão de vinho a ser realizado em Hong Kong e Nova York no próximo mês, quando El Bulli - que já conquistou cinco vezes o título de melhor restaurante do mundo pela revista “Restaurant” - vende sua adega.

O lance de abertura para um jantar com Adrià em seu restaurante Tickets em Barcelona, ​​que ele administra com o irmão Albert, começa em $ 5.000 USD ($ 40.000 HKD, ou cerca de € 3.836).

Outros lotes que foram adicionados à venda de vinho incluem a chance de arrebatar vários pedaços de memorabilia de El Bulli, incluindo quatro casacos de chef assinados por Adrià, um conjunto de facas El Bulli, menus, listas de vinhos e artigos de papelaria El Bulli.

Muitos dos lotes à venda também são peças exclusivas sob medida, projetadas especificamente para ajudar a executar e servir a culinária vanguardista de Adrià. Os exemplos incluem bandejas barrocas e onduladas e louças para suas azeitonas esféricas características.

Mais de 8.800 garrafas de vinho, todas com o adesivo El Bulli e algumas assinadas por Adrià e seu parceiro de restaurante Juli Soler, serão leiloadas no dia 3 de abril em Hong Kong e no dia 26 de abril em Nova York.

No geral, o leilão deve arrecadar até US $ 1,6 milhão.

O lote de valor mais alto inclui um trio de Domaine de la Romanée Conti, Romanée Conti 1990, que é estimado em $ 32.500 a $ 47.500.

Os bolsos não vão tão fundo? Lotes mais baratos incluem garrafas com preços tão baixos quanto $ 50 para um Cuvée Prestige de Caroline 1999.

O leilão de vinho El Bulli segue na esteira de duas outras vendas de adega de referência, incluindo a de Charlie Trotter's restaurante homônimo de Chicago, que fechou no ano passado, e restaurante parisiense histórico La Tour d'Argent.

http://www.sothebys.com/en/sales-series/2013/the-elbullicellar-sold-to-benefit-the-elbullifoundation/overview.html

A atriz chinesa Tong Liya, de Xinjiang, anuncia o divórcio do marido famoso Chen Sicheng e é elogiada pelos fãs

O político de Selangor em busca de uma nota específica de RM1 vai pagar até RM3.000

A montadora da Ford na China pede desculpas depois que o vestido de ventilação de Marilyn Monroe sai pela culatra

Residentes do Blk 506 Hougang Avenue 8 passarão por testes obrigatórios COVID-19

Homem de Cingapura, 70, ligado ao cluster TTSH morre de COVID-19

Funcionário do aeroporto de Changi ajudando família do Sul da Ásia provavelmente levou ao agrupamento COVID: CAG

A transmissão inicial do COVID-19 no cluster do Aeroporto de Changi pode ter ocorrido por meio de um funcionário do aeroporto que estava ajudando uma família do Sul da Ásia, que chegou a Cingapura em 29 de abril e foi posteriormente encontrado infectado.

Detidos em Mianmar contam sobre & # x27tortura & # x27: jornalista japonês libertado

Prisioneiros políticos em uma famosa prisão em Mianmar disseram a um jornalista japonês detido brevemente com eles que foram torturados com espancamentos e privação de sono, disse ele na sexta-feira.

Ardern gasta muito na Nova Zelândia & # x27s & # x27recovery & # x27 orçamento

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, divulgou um orçamento de grandes gastos na quinta-feira com o objetivo de estimular a economia atingida pelo coronavírus enquanto realiza as tão esperadas reformas progressivas.

Neelofa sondou por não usar máscara sob o véu do rosto

Alguém teve que dizer a Neelofa que o niqab não é uma máscara facial. Este artigo, Neelofa investigado por não usar uma máscara sob o véu facial, apareceu originalmente na Coconuts, Asia & # x27s, empresa líder de mídia alternativa.

OG perde grande destaque pela segunda temporada consecutiva

OG parecia perdido contra Liquid, que durou mais que eles em um jogo de 43 minutos, então garantiu a varredura da série com uma escolha surpresa de Broodmother para terminar o jogo dois em pouco menos de 22 minutos.

A Europa não é um aliado fácil contra a China, disse a ex-representante comercial dos EUA Charlene Barshefsky

Os Estados Unidos devem perceber que não será fácil conseguir aliados europeus para lutar contra a China por causa das diferentes prioridades que cada país enfrenta, disse um ex-negociador comercial dos EUA na quarta-feira. “A Europa pode pensar na China de forma diferente dos Estados Unidos e, portanto, pode ser menos capaz de se juntar ao esforço dos Estados Unidos” em sua batalha contra a China, disse Charlene Barshefsky, ex-representante comercial dos Estados Unidos no governo Clinton, em um evento organizado pela Câmara de Comércio dos EUA. “Ao olharmos para o quadro europeu, as restrições que enfrentam, os interesses gerais que temos em comum, a Europa vai acabar fazendo um ato de equilíbrio”, disse Barshefsky, que liderou as negociações com a China para sua entrada no mundo Trade Organization em 2001. Ela agora é presidente da Parkside Global Advisors. Você tem perguntas sobre os principais tópicos e tendências em todo o mundo? Obtenha as respostas com o SCMP Knowledge, nossa nova plataforma de conteúdo com curadoria com explicadores, FAQs, análises e infográficos trazidos a você por nossa premiada equipe. E um ato de equilíbrio “implica que os EUA não conseguem tudo o que desejam”, disse Barshefsky, referindo-se à dificuldade que os EUA provavelmente enfrentam para convencer seus pares europeus a restringir o comércio de tecnologia, restringir transações comerciais e aderir a sanções contra a China . Por um lado, a Europa é altamente dependente da China em suas exportações. Em 2020, a China ultrapassou os EUA para se tornar o principal parceiro comercial da União Europeia, com bens e serviços negociados atingindo US $ 709 bilhões, ante US $ 671 bilhões negociados entre a UE e os EUA, segundo o Eurostat, o escritório de estatística da UE . “Os EUA podem querer manter seu status de única superpotência ou de superpotência no mundo. A Europa não vai lutar com a China para preservar o papel único da América no mundo ”, disse Barshefsky. “Isso é um interesse dos EUA. Não é um interesse pelo qual a Europa necessariamente lutaria contra a China ”. Outras considerações incluem a divergência entre o norte e o sul da Europa em suas opiniões sobre a China, o que pode impedir o continente de falar a uma só voz quando se trata de sua posição contra o país asiático. A inovação em materiais de chips pode empurrar para trás o "fim" da Lei de Moore. A ambição da Europa de se tornar estrategicamente autônoma também tornaria a região menos incentivada a seguir os EUA. “Se a Europa quer abraçar a autonomia estratégica, como poderia seguir os Estados Unidos?” Barshefsky perguntou. Mais importante ainda, muitos países do outro lado do Atlântico têm uma percepção diferente de ameaça em relação à China, disse ela. “A Europa não sente um risco de segurança da China”, disse ela. “A Europa não está posicionada no Pacífico como os Estados Unidos. E o resultado é que a Europa não sente uma sensação de ameaça iminente, como os Estados Unidos podem estar sentindo. “Muitos europeus acreditam, mesmo indiretamente, que não há ameaça da China.” O ex-secretário de Estado Mike Pompeo fez lobby durante anos para que os países europeus excluíssem a empresa de tecnologia chinesa Huawei de sua infraestrutura 5G por motivos de segurança nacional. A Alemanha resistiu por muito tempo, dizendo que a maneira certa de lidar com a China no 5G era criar novas regras para garantir a segurança. Mesmo depois que a Alemanha se alinhou com a UE em abril para aprovar uma legislação mais rígida sobre a Huawei, os críticos duvidaram que as regras seriam totalmente implementadas. Enquanto isso, a chanceler alemã, Angela Merkel, pressionou por um acordo de investimento a ser assinado com Pequim em dezembro, enviando um sinal ao governo Biden de fortes laços econômicos entre a Europa e a China pouco antes de o novo presidente tomar posse. Barshefsky advertiu que “os Estados Unidos podem constatar, mesmo com a melhor das intenções por parte de todas as partes, que a cooperação fica aquém de atingir determinados objetivos ”. Acordo de investimento da China com a Europa definido para o congelador "Você pode ser amigo íntimo, mas tem diferenças significativas no que diz respeito a certos interesses", disse ela. “Você está sob pressões diferentes e cada país tem sua política.” A Europa deixou claro, no entanto, que está perturbada com o comportamento da China em questões relacionadas com os direitos humanos, as distorções comerciais e econômicas chinesas e os valores fundamentais. Os líderes da Europa estão cada vez mais divididos entre seus interesses econômicos e as obrigações de defender os direitos humanos. Os legisladores da União Europeia planejam votar na quinta-feira para suspender formalmente o Acordo Global de Investimento assinado em dezembro, em resposta às questões de direitos humanos da China relacionadas a Xinjiang. apóia isenção de propriedade intelectual para vacinas contra o coronavírusAs aspirações da China à reforma da OMC assumem o centro do seminário de globalização Os EUA exortam a OMS a convidar Taiwan para a reunião anual, um movimento contra a China. China Morning PostPara as últimas notícias do South China Morning Post, baixe nosso aplicativo móvel. Copyright 2021.

Erros de vírus podem transformar as Filipinas de volta no retardatário da Ásia

Meio-fio mal colocado, sistema de saúde fraturado não continha o coronavírus. A recuperação das Filipinas está muito atrás de seus vizinhos, diz analista.

& # x27Roof knocking & # x27: Sistema de alerta de Israel sob escrutínio no conflito de Gaza

Uma mensagem de texto, um telefonema ou um ataque inicial no telhado. Israel diz que avisa os civis de Gaza para evacuarem antes do bombardeio, mas ativistas dizem que não é o suficiente.

Se você investiu S $ 10.000 neste estoque 10 anos atrás, isso é quanto você acabaria com

Você ficará surpreso com o poder de composição, conforme demonstrado por um investimento nesta ação há uma década. A postagem Se você investiu S $ 10.000 nesta ação 10 anos atrás, isto é o quanto você acabaria com apareceu primeiro no The Smart Investor.

Navio de guerra dos EUA transita pelo Mar da China Meridional para desafiar "reivindicações marítimas ilegais"

Um navio de guerra dos Estados Unidos navegou pelas Ilhas Paracel no disputado Mar da China Meridional na quinta-feira após passar pelo Estreito de Taiwan, desafiando um protesto de Pequim. A Sétima Frota da Marinha dos EUA disse que o destruidor de mísseis guiados classe Arleigh Burke USS Curtis Wilbur conduziu operações de liberdade de navegação nas proximidades dos Paracels, reivindicados por Pequim, Taiwan e Vietnã. “Reivindicações marítimas ilegais e abrangentes no Mar da China Meridional representam uma séria ameaça à liberdade dos mares, incluindo as liberdades de navegação e sobrevoo, livre comércio e comércio desimpedido e liberdade de oportunidade econômica para as nações litorâneas do Mar da China Meridional”, diz disse em um comunicado. Você tem perguntas sobre os maiores tópicos e tendências de todo o mundo? Obtenha as respostas com o SCMP Knowledge, nossa nova plataforma de conteúdo com curadoria com explicadores, FAQs, análises e infográficos trazidos a você por nossa premiada equipe. Ele disse que Pequim, Taiwan e Vietnã impuseram restrições ilegais à passagem inocente nas águas disputadas, e que a operação também teve como objetivo desafiar as reivindicações territoriais da China. “Ao conduzir esta operação, os Estados Unidos demonstraram que essas águas estão além do que a China pode reivindicar legalmente como seu mar territorial, e que as linhas de base retas alegadas pela China ao redor das Ilhas Paracel são inconsistentes com o direito internacional”, disse. “As forças dos EUA operam no Mar da China Meridional diariamente, como fazem há mais de um século. Eles rotineiramente operam em estreita coordenação com aliados e parceiros que compartilham nosso compromisso de defender uma ordem internacional livre e aberta que promova a segurança e a prosperidade. ” A Marinha do Exército de Libertação do Povo da China (PLA) disse que os EUA violaram a soberania marítima chinesa e expulsaram o navio. “Também prejudicou seriamente a paz e a estabilidade no Mar da China Meridional”, disse um porta-voz do Southern Theatre Command. “O comportamento dos EUA viola o direito internacional e as normas básicas de relações internacionais, aumenta os riscos de segurança regional e está sujeito a mal-entendidos, julgamentos errados e acidentes no mar. É pouco profissional e irresponsável. ” Mas os EUA disseram que o destruidor não foi “expulso”. “A declaração do PLA é a mais recente de uma longa série de ações [chinesas] para deturpar as operações marítimas dos EUA legais e afirma suas reivindicações marítimas excessivas e ilegítimas às custas dos vizinhos do sudeste asiático no Mar da China Meridional”, disse o documento. “O comportamento [da China] contrasta com a adesão dos Estados Unidos ao direito internacional e a nossa visão de uma região Indo-Pacífico livre e aberta.” O destróier dos EUA navegou pelo Mar da China Meridional depois de passar pelo Estreito de Taiwan na terça-feira, no que os EUA disseram ser uma demonstração de seu compromisso com um Indo-Pacífico livre e aberto. O Comando do Teatro Oriental da China na quarta-feira chamou a passagem estreita de "uma provocação", dizendo que enviou "sinais errados" para as forças de independência de Taiwan. Enquanto o navio de guerra transitava pelo estreito, a patrulha anti-submarina dos Estados Unidos, uma aeronave de reconhecimento e um avião espião sobrevoavam o Mar da China Meridional, de acordo com a Iniciativa de Sondagem da Situação Estratégica do Mar do Sul da China, sediada em Pequim. Mar da China Meridional: a disputa que pode iniciar um conflito militar Os EUA realizaram três operações de liberdade de navegação (FONOPs) no Mar da China Meridional este ano, duas delas passando pelos Paracel. Ele conduziu 10 dessas operações nas águas disputadas no ano passado. Collin Koh, pesquisador da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam em Cingapura, disse que os Estados Unidos estão “normalizando” os FONOPs, garantindo que não irão provocar reações injustificadas na região. “Realizar FONOPs é uma coisa antiga desde os anos 1970 e compreende um componente diplomático, bem como uma afirmação física”, disse ele. “Compreensivelmente, Washington gostaria que essas missões fossem vistas como normais, baseadas em princípios e não especificamente direcionadas por outras razões políticas”. Song Zhongping, um ex-instrutor do PLA, disse que era normal a China dispersar o navio dos EUA. “Não acho que isso necessariamente levará a uma falha na ignição”, disse ele. “Acabou de se tornar mais normal.” Reportagem adicional de Kristin HuangMore do South China Morning Post: Marinha da China em exercícios de fogo ao vivo em três comandos de teatro, sugerindo movimentos para conter os EUA. milícia marítima, diz a revista. Este artigo Navio de guerra dos EUA transita pelo Mar da China Meridional para desafiar 'reivindicações marítimas ilegais' apareceu pela primeira vez no South China Morning PostPara as últimas notícias do South China Morning Post, baixe nosso aplicativo móvel. Copyright 2021.

As vacinas da Covid-19 geraram nove novos bilionários: grupo de campanha

Os lucros dos jabs da Covid-19 ajudaram pelo menos nove pessoas a se tornarem bilionários, disse um grupo de campanha na quinta-feira, pedindo o fim das corporações farmacêuticas & # x27 & quotmonopólio de controle & quot na tecnologia de vacinas.

Novo aviso de ciclone na Índia à medida que aumenta o número de mortos

Uma nova grande tempestade estava se formando na baía de Bengala, na costa leste da Índia, na quinta-feira, meteorologistas alertaram poucos dias depois que o maior ciclone a atingir o oeste do país em décadas deixou pelo menos 120 mortos confirmados.

5 características que podem tornar um apartamento de revenda mais atraente

É oficial: os apartamentos HDB de revenda estão de volta ao menu. Atormentada por atrasos na construção devido à pandemia de COVID-19, bem como proprietários de propriedades privadas mudando-se para apartamentos HDB de revenda maiores, a demanda por apartamentos HDB de revenda tem aumentado desde o período do disjuntor. O grande afluxo no mercado de revenda de HDB subseqüentemente empurrou a revenda de apartamentos HDB para cima. Os preços dos planos de revenda aumentaram pelo quarto trimestre consecutivo no primeiro trimestre de 2021 e estão 3% mais altos em comparação com o trimestre anterior.

De 40 novos casos COVID em Singapura, 30 na comunidade

O Ministério da Saúde (MS) confirmou 40 novos casos de COVID-19 em Cingapura na sexta-feira (21 de maio), elevando a contagem total de casos do país para 61.770.


Ferran Adria: o mago da gastronomia

(CNN) - Ferran Adria adora fazer as coisas de forma diferente.

Ele é creditado por inventar mais de 1.800 receitas para seu restaurante El Bulli - consistentemente classificado como o melhor do mundo - e elevar a culinária a um novo nível, fundindo gastronomia com arte e ciência.

& quotUma das grandes razões pelas quais El Bulli está onde está, é porque conversamos com outras disciplinas. Estamos vendo a revolução das comunicações na culinária ”, diz ele.

Adria se tornou uma espécie de superstar da culinária, que deu palestras em todo o mundo sobre sua abordagem inovadora da comida e seu rosto foi estampado na capa de publicações internacionais.

“Tudo o que aconteceu é uma dádiva”, diz ele. & quotQuando fui capa do The New York Times, não pude acreditar. O que uma cozinheira está fazendo aí? Fui convidado para Harvard como professor visitante! Como pude sonhar com isso? Eu nunca esperei isso. & Quot

É muito longe de onde ele imaginava que estaria quando arrumou seu primeiro emprego em uma cozinha de restaurante aos 17 anos. Isso tinha mais a ver com a necessidade adolescente de financiar as férias de verão do que com os ingredientes de uma vocação de vida.

O interesse de Adria pela culinária começou em sua casa, em Barcelona, ​​com seus pais e o irmão mais novo Albert, mas depois se tornar um jogador de futebol passou a interessar ao jovem Ferran.

“Nem Albert nem eu estudamos culinária. Nenhum de nós queria ser cozinheiro. Portanto, temos a mesma maneira de pensar. Perguntamos por quê sobre as coisas, ”diz Adria.

No entanto, quando Adria tinha 24 anos, ele era o chefe de cozinha do El Bulli, na costa catalã, no nordeste da Espanha, na época um restaurante em dificuldades que corria o risco de perder sua classificação de estrela Michelin.

Hoje El Bulli é a referência para a maior experiência culinária do mundo. Apenas 8.000 pessoas são atendidas lá a cada ano, apesar dos milhões de pedidos por uma mesa. Jantar é menos desfrutar de uma refeição e sim entregar-se a uma experiência que pode durar um dia inteiro. O custo médio é de R $ 400, envolvendo pratos preparados com precisão quase molecular.

& quotVocê não ganha dinheiro com cozinha de vanguarda. Este não é um negócio. Poderíamos leiloar as reservas no eBay. Mas isso seria prostituição ”, diz Adria.

Parece adequado que as criações que emanam de sua cozinha devam estar a menos de 10 milhas da antiga casa do artista, Salvador Dali. De coquetéis & quotpina colada travesseiro & quot para extrair o sabor único de cabeças de camarão, sua equipe de cozinha oferece o inesperado de uma forma que o surrealista provavelmente teria aprovado.

"Sempre que encontro algo que não sabia que existia, digo 'Prazer em conhecê-lo', porque ampliou minha ideia do que é a vida e é isso que Ferran está fazendo", diz Vincente Todoli, ex-curador da Tate Modern de Londres.

& quotArte ou não arte? Eu não me importo, mas certamente esta é uma experiência que me leva a outros reinos. & Quot

Adria também tem sua atenção voltada para se aventurar em novos territórios. No ano passado, ele anunciou que El Bulli fecharia definitivamente suas portas no verão de 2011. Em seu lugar virá a Fundação El Bulli, um "tanque pensador de criatividade gastronômica" que a Adria continuará a aprimorar até sua inauguração em 2014.

& quotEsta pode se tornar uma vasta rede criativa, milhares de pessoas trazendo ideias. Isso vai mudar a relação entre criatividade e sociedade, ”diz Adria.

& quotIsto é muito mais do que um projeto de cozinha. É um projeto social. O objetivo da fundação é continuar criando e compartilhando tudo pela Internet. & Quot

O interesse de Adria em se conectar com um mundo maior já o fez se associar à empresa de tecnologia e comunicações Telefonica na Espanha para ajudar a desenvolver a TI da Fundação El Bulli.

Mas ele também voltou às suas raízes, embarcando em projetos menores, incluindo um bar de tapas e coquetéis em Barcelona com seu irmão.

Os ingressos do bar de tapas abrirão mais tarde nesta primavera, enquanto o 41 Degrees está trazendo uma variedade de coquetéis para a cena de bares de Barcelona.

& quotPrecisávamos de um lugar em Barcelona para os amigos. A place like this is much more relaxed than El Bulli," Adria says of 41 Degrees.

"There will be tapas for 5 or 6 euros ($6.7 to $8). It is not the same. The pressure is very different."

"The easy option for me was to just stop. But when you see how people react (to El Bulli) you realize it's worth (pursuing a new venture).


El Bulli Wine Cellar Auction Nets $1.8 Million

Following five hours of feverish bidding in Hong Kong on April 3, Ferran Adrià, famed chef at the now-closed Michelin three-star restaurant, El Bulli, along with his staff, celebrated the sale of 445 wine lots sourced from the restaurant’s cellar. Proceeds from the auction, which totaled $1.8 million, will benefit the El Bulli Foundation, a gastronomic research and innovation organization founded by Adrià following the restaurant’s July 2011 closing.

According to Adrià, the auction exceeded expectations. “We wanted to demonstrate that the proposed El Bulli Foundation is very serious and we are fully involved in it,” he told Wine Spectator.

In addition to the wines, the auction, hosted by Sotheby’s, featured numerous lifestyle lots including an exclusive dinner with Adrià, as well as memorabilia and equipment used in the El Bulli kitchen. The $1.8 million easily surpassed the presale estimate of $1.2 million.

Among the top wine lots were selections from Domaine de la Romanée-Conti—three bottles of Romanée-Conti 1990, which fetched a total of $72,576, or $24,192 per bottle. In addition, four bottles of Romanée-Conti 2003 sold for $69,421, and three bottles of Romanée-Conti 2000 sold for $59,954. All three of the DRC lots were sold to a single bidder for his private collection.

Each of the nearly 9,000 wine bottles offered in the auction featured a specially designed El Bulli sticker, and many were signed by Adrià and partner/manager Juli Soler. Four chefs jackets signed by Adrià were sold, as were a large number of menus, wine lists and equipment designed specifically for the restaurant, including an El Bulli Laguiole knife set which sold for $7,728. The dinner with Adrià for four, which will be held in Barcelona, fetched $28,399.

The foundation the sale is supporting is multifaceted—the El Bulli building will be converted into a permanent exhibition space that details the restaurant’s historical and culinary evolution. The foundation will also introduce a culinary center in conjunction with a technological platform called Bullipedia, intended to organize and codify new ideas and concepts in an effort to inspire chefs around the world.

The second half of the auction will take place at Sotheby's in New York on April 26.


Ferrán Adrià, culinary avant-garde

“Who is Ferrán Adrià?” you may well ask. In his own words, he’s just “a chef with a restaurant”, but this Spanish master is in fact so much more.

Here is an account of a journey of numerous sensations, pleasures and emotions. It began by getting on the motorway and heading towards Roses, a small seaside town in Catalonia, Spain, where the Pyrenees tumble into the Mediterranean Sea. It was there that I found the restaurant El Bulli, where an eccentric, dishevelled genius dressed in white emerged from his ‘laboratory’ (the kitchen) to wish us a good evening and to introduce us to the mystery that is the Adrià effect.

Curiosity and chaos without boundaries

Parmesan marshmallows, pumpkin oil caramel, oyster with its pearl, or salad of conserved meat and Cantonese crayfish… These are four of the 100 recipes concocted for this season. El Bulli is open for five months each year to cater for just 3,000 lucky diners (they receive 8,000 applications from all over the world). During the rest of the year, Adrià combines his research in the ‘Bulli workshop’ with trips, conferences, courses and collaborations with businesses.

We sit on the patio, shielded from the sun, where we watch the sea and listen to the waves. I explain to him what café babel is and he swiftly says that whilst he does feel European, cooking knows no boundaries. “Another thing”, he goes on, “is to whom you feel closest. Spain, for example, has many characteristics that are different to those of other European countries due to its close ties with Latin America. At the end of the day, we are Latinos above all else.”

“But gastronomy evolves and the geographical position of a food can change from one day to the next. Where is cannelloni from? My mother would say Catalonia!”, he says with a smile. “Borders are constantly changing and their cuisines change with them. In the kitchen, people leave their geographical affiliations behind. My kitchen’s first point of reference is the nearest: this bay. After that, the whole world.”

When El Bulli closes to the public, the research stage begins. “You have to remember that El Bulli is a place where you eat radical avant-garde food. What matters to me most is that the customer is happy, but even more than that, that I am happy.” People come to eat at this restaurant without knowing that they are going to be served the most extraordinary dishes being made in the whole world dishes that will invoke surprise, pleasure, laughter and fear.

France in the history books

Adrià considers himself heir to French nouvelle cuisine. So is it a question of France versus Spain? “France versus the world,” he corrects. “In the seventies, France revived a creative medium that was in need of complete transformation.” Spain has since taken over the mantle but it does acknowledge its priceless inheritance. He explains the difference between the two: “Nouvelle cuisine was one movement. Today there are hundreds: minimalists, naturalists, happenings, performances, live food… the real revolution is that Spain has made cooking contemporary and has attracted media interest. It now draws fondness and curiosity, it contravenes laws and it innovates. It attracts hundreds of young people who want to join in this revolution, bringing fresh ideas with them.” He goes on to say that this will result in a ‘global’ European cuisine that will differ fundamentally from Asian cooking. It will be a compilation of the heritages and movements that will survive this current revolution.

A job for long-distance runners

“Cooking is demanding work in which exigency and perfection must be served up on every plate that leaves the door.” Adrià believes that it is an understanding of these requirements and a shared perception of cooking that leads to camaraderie between colleagues in the profession. “The strange thing is that we [chefs] are more highly valued and recognised today, and we are now of interest to the media. We are approached wherever we go. We step into the arena to answer questions, to give insight into what is going on backstage, into our cooking, our recipes and restaurants. That is something that has never happened before.”

On top of that, the El Bulli chefs have annotated and documented their activities so that research and advances are not lost. “The publications have a dual purpose: the commercial purpose and the communicative, informative one.” I look surprised. He carries on, “El Bulli was not conceived to make money. It is our way of bringing ourselves closer to the rest of the world and showing off our work. We could easily auction places for the restaurant and the figures would surely be impressive…but it’s not about that. Dining here costs 150 euros and a wide variety of people come. The important thing is that we are happy with our work and that people enjoy it - not that we give in to the rules of the market or our clients’ requests. It is for that reason that the commercial element [TV appearances, cookery books, etc] that surrounds El Bulli is so important [since it finances the restaurant]. My dream is that in two or three years I’ll gradually move away from all this and become fully dedicated to my research and travel.”

When asked where he would travel, he replies without hesitation “China. The cultural exchange that [the world] is currently experiencing is unparalleled and constantly growing. Chinese cooking is an entire universe in its own right. The problem with Europe has always been its Eurocentrism. If you ask someone in the cooking business to name the best Indian or Chinese chef they have no idea, which is ridiculous as there are more than 2.5 billion people in India and China!”

Chef symphony

At this point we enter Adrià’s kitchen, an event which I find somewhat mystical but at the same time intimidating. It is a place of multiple senses, like any of the dishes on his incredible menu. The organisation is impeccable, thirty chefs are finely tuning the Bulli engine tonight. The sound of a running motor can almost be heard amongst the bustle and the coming and going of would-be chefs from all over the world: Italians, Japanese, Brazilians, etc. The hot and cold zones, the carve-up area and the frying area… An assortment of different smells…Hhhmmm, chocolate…!

Art? Comida? Emotion? This culinary phenomenon involves living and experimenting with new things, taking on the most radical avant-garde yet and eating a dish that exceeds all your expectations. Tasting this magic-show is an absolute must.